‘Nenhuma Mulher a Menos’ chega ao interior


publicidade

Na manhã desta sexta-feira, 3, foi realizada mais uma ação da Campanha Nenhuma Mulher a Menos, agora com alcance nos municípios acreanos. Em Sena Madureira ocorreu a primeira divulgação da campanha, com abordagem técnica e entrega de cartazes e panfletos em locais de grande circulação de pessoas, como supermercados e farmácias.

A campanha tem como objetivo o combate e o enfrentamento à violência doméstica e familiar e ao feminicídio, atuando principalmente na divulgação dos canais de denúncia, como o Ligue 180 e o 190.

A divulgação tem a intenção de alcançar tanto as mulheres vítimas de violência, quanto as pessoas próximas das vítimas, para que todas tenham acesso aos canais de denúncia.

“A ação se deu por conta da última pesquisa realizada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em que foi identificado que o Acre foi o que menos ofereceu denúncia pelo canal Ligue 180. O que demonstra a dificuldade que algumas mulheres têm em denunciar, principalmente agora com o período de isolamento, já que muitas estão convivendo diariamente com seus agressores”, explica a diretora de Políticas para as Mulheres da SEASDHM, Isnailda Gondim.

A atividade foi executada pela Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres, por meio da Diretoria de Políticas para as Mulheres, com apoio da Patrulha Maria da Penha e Deputada Estadual, Meire Serafim.

“A Patrulha Maria da Penha e o Botão da Vida trabalha apenas com mulheres em medida protetiva. A campanha Nenhuma Mulher a Menos engloba tanto as mulheres que estão em medida protetiva quanto as que não estão. Antes do isolamento social, era realizado palestras em escolas e órgãos públicos e privados”, informa a coordenadora da Patrulha Maria da Penha, Major Alexsandra Rocha.

As ações de divulgação estão sendo intensificadas, já que durante o isolamento social pela pandemia da Covid-19, os índices de violência doméstica aumentaram. O serviço Ligue 180 teve um aumento de quase 9% no número de chamadas para o canal que recebe denúncias de violência contra a mulher. A divulgação visa principalmente estimular a denúncia.