Novo presídio federal será erguido no Vale do Alto Acre

O diretor de planejamento e gestão estratégica da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SESP), Rennan Biths revelou que construção do novo presídio federal será erguido na região do Vale do Alto Acre.  Salientou que o governador tem tratado pessoalmente do assunto, com o Gabinete da Presidência e o Ministério da Justiça (MJ), mas o processo está em fase de negociação. “Por enquanto, não temos previsão orçamentária para a execução da obra que pode ser executada no próximo ano”, prevê.

Foto: Divulgação

Caberá ao Instituto de Terra do Acre (Iteracre) busca localizar o local apropriado, para desapropriação do terreno destinado a construção da unidade prisional, enquanto o projeto arquitetônico será elaborado pela equipe técnica da Secretaria Estadual de Obras (SEOSP).    O empreendimento imobiliário, precisa do aval do prefeito do município escolhido, pois a  obra é  estimada em torno de R$ 45 milhões. A construção da unidade prisional deverá contar com 12 mil metros quadrados, com capacidade de abrigar pelo menos 120 a 150 detentos, como o presídio federal de Porto Velho, capital do Estado de Rondônia. “A nossa unidade será mais moderna”, comentou o gestor da Segurança.

O Departamento Penitenciário Nacional (Depen), ligado ao Ministério da Justiça (MJ) deverá dar o aval para a aquisição do terreno escolhido para a construção do presídio federal.  Depois dos massacres patrocinados pelas facções criminosas que atuam nas unidades prisionais, o Depen anunciou a construção de cinco unidades prisionais nos estados da região Norte. Apenas o estado de Rondônia conta com uma unidade prisional com capacidade de abrigar 120 presos de alta periculosidade.

O diretor de planejamento e gestão estratégica da SESP disse que até 2018, a ampliação das unidades prisionais garantirão a oferta de mais duas mil vagas. As obras de ampliação das unidades prisionais estaduais serão executadas nos seguintes municípios: Rio Branco, Sena Madureira, Tarauacá, Feijó e Cruzeiro do Sul. “A nossa meta é acabar com o déficit de vaga existente em nossas unidades prisionais”, prometeu Biths.