Pesquisa do SNIS mostra que 780 mil moradores do Acre não têm coleta de esgoto


publicidade

Pesquisa do sistema nacional de informações sobre saneamento (snis), mostra que 780 mil moradores do Acre não têm coleta de esgoto. Muitas redes de coleta foram construídas, mas as estações que deveriam fazer o tratamento dos dejetos estão abandonadas.

Na capital Rio Branco, sete unidades de ETI’s nunca funionaram e estão sendo destruídas pelos vândalos e o tempo.

A mesma pesquisa mostra que falta água potável para 460 mil moradores do Acre. Metade da população do estado toma água sem passar por nenhum filtro.

O levantamento foi feito justamente nessa época, para mostra que, para muitas famílias seguir as recomendações das autoridades de saúde para evitar a covid 19 é quase impossível.

O governo insiste para que as pessoas higienizem as mãos e mantenham tudo limpo para evitar a proliferação do coronavírus.

Mas o que dizer as famílias, por exemplo, que moram da região da Sobral. Além de conviverem com os esgotos, a água que chega é de um cano interligado a outra rua, o que se chama popularmente de gato. o liquido tão preciso para a saúde nem sempre é possível,/ e como falar de saúde morando lado a alado com o esgoto///

Os dados levantados mostram que no Brasil, em média 30 mil internações acontecem por falta de investimentos em saneamento. Poderiam ser 30 leitos mil disponíveis pra outros casos.

Em Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade do estado, a pesquisa aponta que os 87 mil moradores não têm serviço de esgoto e a metade não conta com água tratada.

E Rio Branco 79% do que é jogado no esgoto não é recolhido ou tratado, e quase a metade dos moradores não tem acesso a água potável.

O BNDES anunciou que existem linhas de financiamento para esse tipo de projeto, o próprio governo acreano fala em privatizar o setor, mas o tema ainda é tratado como uma dessas promessas bem distantes.