Polícia prende integrantes da família Nascimento envolvidos em massacre de família boliviana e estupro

A Polícia acreana prendeu ontem cinco envolvidos na chacina de uma família boliviana, após estupro da filha, na fronteira com Acrelândia, no Acre. Os presos pertenceriam à família Nascimento, que espalha o pânico na região. Os integrantes da família estão envolvidos em denúncias de grilagem de terra, assassinatos por pistolagem, ameaças e intimidação de posseiros e pequenos proprietários para forçar a retirada ilegal de madeira.
Eles estavam sendo procurados e se escondiam protegidos pelo medo que impunham á população, que temia denunciá-los.

As prisões ocorreram na zona rural do município de Acrelândia, distante cerca de 110 km da capital, por força de mandados de prisão cumpridos pelas equipes da Delegacia do município com apoio do Departamento de Polícia Civil da Capital e do Interior (DPCI) e da Coordenação de Recursos Especiais (Core).

Os crimes ocorreram em 13 de setembro e o inquérito aponta que uma garota de 13 anos foi vítima de estupro e três pessoas, a mãe e dois filhos, foram assassinadas por um brasileiro de Acrelândia que extraía madeira na propriedade onde a família morava, na zona rural da Bolívia. O pai da vítima chegou a flagrar o abuso sexual quando retornava da lavoura. A garota vítima do estupro se recupera em Rio Branco, depois de passar por cirurgias e ainda está internada om sequelas físicas e psicológicas.

Dois homens foram presos em flagrante no dia seguinte ao crime, mas um deles acabou sendo solto e o outro foi levado ao presídio de Rio Branco onde aguarda a conclusão do inquérito.

Apesar do crime ter sido cometido em território boliviano, a investigação e o julgamento dos envolvidos nos crimes ocorrerão no Acre por ser o local da captura. Eles deverão ser indiciados por homicídio, estupro e ocultação de cadáver.