Polícia tira de circulação chacal que agia na região de fronteira

Agentes da Polícia Federal no Acre deflagraram no dia de ontem a operação Chacal que desarticular organização criminosa internacional que falsificava passaportes para facilitar a entrada no território brasileiro de imigrantes. O magistrado da 3ª Vara Federal expediu um mandado de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva em desfavor de dois estrangeiros que vinham atuando no contrabando de pessoas na fronteira do Brasil, através do município Assis Brasil e que há tempos promovem a entrada ilegal de iranianos nos EUA e Canadá.

A investigação iniciou-se após um grupo de iranianos ter sido preso tentando ingressar no Brasil usando passaportes falsos. Supõe-se que o grupo tinha como objetivo chegar ao Canadá, porém com as fronteiras internacionais fechadas, dificultou-se a realização desse intento. Com a atuação conjunta entre a INTERPOL, a colaboração da Adidancia da Polícia de Imigração e Alfândega, Homeland Security Investigations (HSI) em Brasília e Polícia Federal, chegou-se aos verdadeiros nomes dos iranianos, dentre os quais havia o coiote, que seria o responsável pela promoção da entrada ilegal desses iranianos no país. Um dos presos tem sido investigado e monitorado pelas autoridades dos EUA por envolvimento em contrabando de pessoas do Oriente Médio para as Américas e Europa nos últimos doze anos.

O nome da operação foi dado em razão de que o contrabandista de pessoas é denominado informalmente de “coiote”, cujo animal é chamado de chacal americano. No cumprimento do mandado de busca e apreensão foram apreendidos um celular, um notebook, diversos chips telefônicos de países diferentes, cartões de crédito em nome de várias pessoas e documentos diversos. (Com informações da assessoria PFAC)