Prefeituras não têm estoque de seringas para imunizar população

Cezar Negreiros

As secretarias municipais de Saúde não têm estoque suficiente de seringas para imunizar a população acreana da covid-19. Para aplicar a primeira dose da vacina autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), seria preciso a quanta de um milhão de seringas, mas como as prefeituras estão quebradas, os novos gestores devem pedir socorro ao governo do Estado.

Prefeituras devem pedir socorro ao governo do Estado

O governo do Estado precisa na primeira fase da campanha de vacinação de um milhão de seringas para ser usadas na campanha de imunização da população acreana contra a covid-19. A Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre) pretende adquiri nos próximos dias um lote de 400 mil seringas, com os recursos disponibilizados pelo Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), ligado ao Banco Mundial.

Apesar da Sesacre fechar o ano passado com um estoque estimado em torno de 122 mil seringas, enquanto os municípios chegaram em torno de 450 mil. O rede estadual de saúde tem um consumo médio de 320 mil seringas, que são usadas nas campanhas de vacinação do calendário permanente do Programa Nacional de Imunização (PNI), inclusive na reposição dos estoques reguladores das salas de vacinação, mantidas pela rede estadual de saúde.

Em 2020, o governo do Estado recebeu um lote de 120 mil seringas doadas pelo Ministério da Saúde (MS), mas a Sesacre comprou mais um lote de 10 mil seringas, no decorrer dos 12 meses foram consumidas 126 mil unidades nas campanhas de imunização e reposição de estoques das unidades que contam salas de vacinação. No ano de 2019, o governo do Estado adquiriu a quantia de 120 mil seringas, consumiu 95 mil nas campanhas de imunização e reposição dos estoques nas salas de vacinação nas unidades mantidas pela Secretaria.

Corrida

Como é preciso uma segunda dose da vacina, a coordenação estadual do Programa Nacional de Imunização (PNI) deve contar com um estoque de dois milhões de seringas, uma parte deve ser doada pelo MS, enquanto outra parte deve ser adquirida com recursos próprios. A reportagem do jornal A Tribuna manteve contato telefônico com a secretária municipal de Saúde (Semsa), mas o secretário Frank Lima não retornou as ligações para falar sobre o assunto. Como a capital acreana conta com uma população estimada em quase meio milhão de habitantes, a prefeitura de Rio Branco precisará adquirir quase um milhão de seringas para garantir a cobertura vacinal dos rio-branquenses.

Doação de 500 mil seringas

A assessoria da Sesacre informou que os recurso destinados para aquisição de seringas são repassados ao Fundo Municipal de Saúde (FMS), junto com os repasses destinados a Vigilância em Saúde. Esclareceu que o MS tem manifestado intenção de fornecer seringas aos estados para aplicação da vacina contra o coronavirus, o governo do estado fez uma solicitação de 500 mil seringas. Comunicou ainda que foi realizado levantamento junto às coordenações municipais do estoque de seringas existente, além da recomendação do quantitativo necessário por município para garantir a cobertura vacinal da população de cada localidade, com base baseado nos estoques existentes e necessidades de rotina e da campanha.

O governador Gladson Cameli formalizou um pedido de aquisição de 700 mil doses da vacina da biofarmacêutica chinesa Sinovac, que vem sendo processada pelo Instituto Butantan, responsável pela produção do imunizante da vacina chinesa Coronavac. Com a aquisição deste lote estima que mais 350 mil acreanos na faixa etária dos 18 e 59 anos sejam imunizados, pois cada paciente dever receber duas doses da vacina contra o coronavírus. O restante das doses que faltam devem ser disponibilizada, através do Plano Nacional de Imunização (PNI), que prevê a distribuição da vacina da Universidade de Oxford (Inglaterra), em parceria com o laboratório da AstraZeneca que vem sendo processada pelo laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no próximo mês (fevereiro).

A previsão que seja disponibilizada 136 mil doses, destinado a atender os profissionais de saúde, idosos, portadores de morbidades e professores. A vacina do laboratório chinês, no entanto, optou por um imunizante que traz o vírus inativo, mas que garante a produção de anticorpos que previne contra o covid-19. A matéria-prima da vacina da biofarmacêutica chinesa Sinovac, aguarda apenas a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para comercializar o produto.