Presidente da Faeac diz que rebanho acreano está estagnado

boi_rastreado[406]

Com 2,9 milhões cabeças de gado, o Acre está na 14ª colocação no ranking brasileiro, segundo a pesquisa de Produção da Pecuária Municipal 2015 divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE). O presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Acre (Faeac), Assuero Veronez, criticou os números, afirmando que o crescimento da pecuária está limitada.

Segundo o representante dos pecuaristas, o rebanho chegou a um limite de crescimento horizontal, o que também impede o crescimento industrial no setor.

“Estamos estagnados há muito tempo em decorrência da legislação ambiental que é um obstáculo. Assim, o rebanho só pode crescer de forma vertical, com novas tecnologias, o que demanda a adoção de novas políticas públicas”, explicou.

Além da falta de incentivos governamentais, o presidente da Faeac alega que a maioria dos produtores não disponibilizam de documentos necessários para garantir empréstimos para implementar as melhorias.

“Algumas pessoas também estão descapitalizadas, existe a falta de orientação técnica, então são vários fatores que dificultam o crescimento vertical, por isso que estamos estagnados”, justificou Assuero Veronez.

De acordo com o IBGE, o Acre estava na 15ª colocação até 2012, quando existiam 2,7 milhões cabeças de gado.

O maior rebanho está no Mato Grosso, em que estão registrados 29 milhões de cabeças, seguido por Minas Gerais, com 23,7 milhões.