Profissionais de segurança pública iniciam o 3º Curso de Ações Táticas Especiais

Profissionais participarão de aulas teóricas e práticas, num total de 480 horas-aula. Foto: Diego Gurgel/Secom

O governo do Estado do Acre, por meio da Polícia Militar, realizou na manhã desta quinta-feira, 21, a abertura do 3º Curso de Ações Táticas Especiais (Cate), ofertado a 41 profissionais das forças de segurança estadual, federal e internacional. O evento foi realizado no auditório do Colégio Militar Tiradentes e contou com a presença de autoridades civis e militares.

O objetivo do Cate é capacitar e habilitar profissionais integrantes das forças de segurança para ações de alto risco. Esses profissionais precisam desenvolver habilidades que as tropas convencionais não estão preparadas para executar. As peculiaridades de cada função na área de ações táticas especiais serão rigorosamente trabalhadas, desenvolvendo suas diversas qualidades de comando e emprego em operações dessa natureza.

Entre os alunos, provenientes de várias unidades profissionais, há 29 policiais militares, um bombeiro militar, cinco policiais penais e quatro policiais civis do Estado do Acre, além de um policial militar de Rondônia, um policial rodoviário federal e dois integrantes da Polícia Nacional Peruana.

O governador Gladson Cameli ressaltou que essa é mais uma capacitação que possibilita valorizar os profissionais da segurança pública. Também destacou o apoio do governo federal, por meio da Secretaria Nacional de Segurança Pública, com a implantação de duas novas bases da Força Nacional no Acre.

“Isso concretiza aquilo que eu venho dizendo. É com a união dos poderes, governo federal, Estado e municípios que nós vamos combater o crime organizado, o contrabando e aperfeiçoar a nossa tropa. Essa é uma oportunidade que dá mais segurança para a nossa sociedade, marcando a presença do estado de direito”, disse.

O governo do Estado do Acre, por meio da Polícia Militar, realizou na manhã desta quinta-feira, 21, a abertura do 3º Curso de Ações Táticas Especiais (Cate), ofertado a 41 profissionais das forças de segurança estadual, federal e internacional. O evento foi realizado no auditório do Colégio Militar Tiradentes e contou com a presença de autoridades civis e militares.

O objetivo do Cate é capacitar e habilitar profissionais integrantes das forças de segurança para ações de alto risco. Esses profissionais precisam desenvolver habilidades que as tropas convencionais não estão preparadas para executar. As peculiaridades de cada função na área de ações táticas especiais serão rigorosamente trabalhadas, desenvolvendo suas diversas qualidades de comando e emprego em operações dessa natureza.

Entre os alunos, provenientes de várias unidades profissionais, há 29 policiais militares, um bombeiro militar, cinco policiais penais e quatro policiais civis do Estado do Acre, além de um policial militar de Rondônia, um policial rodoviário federal e dois integrantes da Polícia Nacional Peruana.

O governador Gladson Cameli ressaltou que essa é mais uma capacitação que possibilita valorizar os profissionais da segurança pública. Também destacou o apoio do governo federal, por meio da Secretaria Nacional de Segurança Pública, com a implantação de duas novas bases da Força Nacional no Acre.

O curso tem carga horária de 480 horas, com duração aproximada de 45 dias, em que serão ministradas 22 disciplinas, entre elas, noções antibomba, tiro de precisão, tiro tático policial, ações táticas e noções de patrulha rural e ribeirinha.

O comandante da Polícia Militar do Acre, coronel Paulo César Gomes, lembrou que há alguns anos os policiais que participavam do Cate tinham que se deslocar para outros estados. “Também não tínhamos condições de formar um número maior de policiais. A ideia é ampliar essa especialização. Vários policiais aqui, ao término do curso, estarão colocando a experiência também no batalhão diário”, disse.

Para o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Paulo Cézar Santos, o Acre vive um momento diferenciado não apenas pelos números apresentados, mas também pela sensibilidade dos representantes das forças de segurança pública. “Há uma compreensão exata do que é integração e um entendimento de que unidos somos mais fortes”, afirmou.

O gestor ainda ressaltou que o objetivo da segurança é único – garantir à sociedade o direito de ir e vir. Assim, enfatizou que em um comparativo dos primeiros 21 dias de janeiro, 30 homicídios foram registrados em solo acreano em 2020 e cinco em 2021, o que representa uma redução de 83,33%.

Fato Inédito

De forma inédita, cinco policiais penais participarão do Cate e também poderão levar os conhecimentos para a instituição. O presidente do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Arlenilson Cunha, afirmou ser gratificante e prazeroso ter profissionais do órgão sendo capacitados e qualificados na área.

“Somente com a integração é que nós lograremos êxito no enfrentamento à criminalidade”, disse o superintendente da Polícia Rodoviária Federal no Acre, Getúlio Mário de Azevedo. Também o delegado-geral de Polícia Civil, Josemar Portes, reafirmou a fala, destacando que é possível compatibilizar as funções constitucionais de cada uma das forças com o trabalho integrado.

O comandante do Corpo de Bombeiros do Acre, coronel Carlos Batista, afirmou que, ao final do Cate, quem ganhará será a segurança pública estadual. Sua fala foi seguida da exposição do diretor da Força Nacional de Segurança Pública, coronel Antônio Aginaldo de Oliveira, que explicou que o curso deixará um legado de conhecimento e experiência. “Os covardes nunca tentam, os fracos ficam pelo meio do caminho e só os fortes conseguem alcançar os seus objetivos”, avaliou.