PSL do Acre diz que Rocha mentiu e vice-governador mantém plano de voo

José Faustino Vieira

As articulações para o pleito municipal de Rio Branco já começaram e, em se tratando de estratégias, costuras e nomes postos para a apreciação dos grupos políticos, essa será uma das mais acirradas disputas da história, principalmente na Capital.

Após o anúncio do vice-governador Major Rocha de que iria migrar para o PSL, durante coletiva, houve uma grande reação contrária das lideranças locais. Sua possível filiação foi rejeitada no âmbito municipal pela diretoria estadual da sigla. Além das notas de repúdio, o partido também usou suas redes sociais para externar o descontentamento

De acordo com o presidente do PSL no Acre, Pedro Valério, não houve convite algum para que Rocha se filiasse à sigla.

Presidente do PSL no Acre, Pedro Valério

“Posso garantir por A+B de que esse convite não surgiu do presidente do PSL Nacional. Tenho que concordar que ambos são amigos e bastante próximos, no entanto, Biva já está com uma idade avançada e se encontra recluso em sua residência em Pernambuco por conta da pandemia do coronavírus. O nosso presidente jamais teria condições de fazer esse tipo de convite, vir até ao Acre ou ligar para o Rocha”.

Valério também acrescentou que a ida de Rocha para o partido acarretaria o fim de uma luta de 30 meses.

“Respeito o vice-governador, tenho uma profunda admiração por sua pessoa, mas, sem dúvidas, a vinda do Major para o PSL (nesse momento) significa uma implosão do partido, o fim de uma luta de 30 meses”. O Major Rocha quer que o PSL retire a pré-candidatura do Fernando Zamora e deseja que passemos a apoiar o professor Minoru Kinpara. Isso é inadmissível, somos um partido de direita e jamais aceitaremos isso”, pontua Valério.

Rocha reafirma convite da Nacional

Na tarde de ontem (24) Rocha fez uma coletiva de imprensa sobre o assunto e deu quase como certa a sua ida para o PSL.

De acordo com o vice-governador o convite foi feito pelo próprio presidente do (PSL), Luciano Bivar e a filiação deve ser imediata, ocorrendo de fato na próxima quarta-feira, 1º de julho.

Rocha garante que nunca teve a intenção de destruir o PSL no Acre como muitos políticos ligados à sigla estão afirmando.

“As minhas intenções são as melhores possíveis, o meu objetivo é de fortalecer o PSL por aqui. Minha saída do PSDB para o PSL já vem sendo discutida há muito tempo, muito antes mesmo da cogitação de qualquer nome para as eleições municipais em Rio Branco”, afirmou.