Rio Branco amanhece sem ônibus até que vereadores votem ajuda de R$ 2,4 milhões

A promessa foi cumprida e os motoristas de ônibus, em evidente conluio com os patrões paralisaram toda a frota de ônibus Rio Branco. As três empresas que atuam na capital Viação Floresta, Via Verde e São Judas deixaram 100% de seus motoristas parados para forçar os vereadores a votar projeto da prefeitura que garante repasse de R$ 2,4 milhões para as empresas de transporte público. Este subsídio visaria garantir a continuidade do serviço, que foi duramente atingido pela crise da pandemia, como admite o projeto da prefeitura, debatido com o Ministério Público, a justiça e o TCE. O principal objetivo, segundo mensagem enviada à Câmara Municipal é garantir o emprego dos funcionários, ameaçados de demissão se o sistema entrar em colapso.

Entretanto, esse repasse depende da doa vontade dos vereadores na aprovação da mensagem da prefeitura, mas há forte resistência por parte dos parlamentares em votar a medida no final de seus mandatos, considerando que o projeto é impopular. As negociações prosseguem e deve haver consulta ao prefeito eleito Tião Bocalom que já sinalizou que quer “abrir a caixa preta do transporte municipal”. Os motoristas alegam que estão com três meses de atraso de salário, o que não deixa de ser uma estratégia dos empresários para forçar a greve de seu interesse. Na última quinta-feira os motoristas chegaram a paralisar as atividades por duas horas, e haviam feito o indicativo de greve para hoje, o que foi cumprido.