TRE cassa por unanimidade mandato do Prefeito Ilderlei Cordeiro, em Cruzeiro do Sul

Ilderlei foi condenado por ter tentar comprar candidatura de um vereador

O Tribunal Regional Eleitoral do Acre cassou por unanimidade de votos, na tarde desta quarta-feira, 12, os mandatos do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PP) e seu vice Zequinha Lima (PP), em decisão que vinha sendo adiada e postergada há quase quaro anos, O prefeito foi condenado por ter tentar comprar a candidatura de um vereador da cidade durante as eleições de 2016. A decisão também confirmou de modo unânime a inelegibilidade do prefeito Ilderlei, do vice Zequinha e do ex-prefeito Vagner Sales, hoje desafeto de Ilderlei, por oito anos.

A decisão confirma a sentença juiz da 4º Vara Eleitoral, Erik da Fonseca, que já havia dado sentença, em primeiro grau, pela cassação. A defesa do prefeito vinha fazendo tudo para adiar o julgamento no TRE até às eleições deste ano, pedindo suspeição da juíza Mirla Regina, que atuou no processo de primeiro grau, ordenando a prisão de candidatos envolvidos na denúncia inicial, que foi negado e entrando com vários incidentes processuais para postergar a decisão em segundo grau. O último problema ocorreu na segunda-feira, com um ato de vandalismo que cortou a ligação de internet, com destruição de 250 metros de cabo ótico da empresa OI. O prefeito Ilderlei declarou que nada teve a ver com o problema.

A decisão pela cassação foi unânime da corte, hoje, composta por sete membros que determinou o afastamento imediato do prefeito e de seu vice do cargo e que seja dada posse ao presidente da Câmara de Cruzeiro do Sul, Clodoaldo Rodrigues (PP), para ocupar o cargo de prefeito, até a realização das eleições municipais de novembro deste ano.

De acordo com a juíza-relatora do processo, Mirla Regina, novas eleições só não serão realizadas devido aproximação do pleito principal em novembro.
O voto da relatora foi acompanhado pelo desembargador Elcio Sabo Mendes e pela presidente do TRE, desembargadora Denise Bonfim, além dos juízes eleitorais Herley Brasil, Marcelo de Carvalho, Marcel Chaves e Tales Bordignon.

A condenação de Ilderlei Cordeiro já havia sido feita em primeiro grau em julho de 2019, pelo juiz da 4º Vara Eleitoral, Erik da Fonseca. O magistrado acatou o pedido do Ministério Público Eleitoral que apontou que o então chefe do gabinete do executivo do ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Mário Neto, e o presidente do diretório do PSDB na cidade, Edson de Paula, que foram presos pela Polícia Federal, em agosto de 2016, sob suspeita de corrupção ativa, trabalhavam em favor prefeito.

De acordo com a denúncia, Neto estaria pagando candidatos a vereador para desistirem da candidatura com o intuito de apoiarem a chapa “Juntos por Cruzeiro”, do candidato Ilderlei Cordeiro, apoiada pelo então prefeito Vagner Sales (PMDB).

As prisões ocorreram após o candidato a vereador Clebisson Freire denunciar que tentaram comprar sua candidatura fazendo com que ele desistisse em troca de R$ 5 mil, quantia que teria sido oferecida pelo prefeito do município. Freire disse ainda que teria recebido proposta de trabalho do dirigente do PSDB. Para confirmar sua denúncia, o candidato reproduziu um áudio, que teria sido gravado com mais de uma hora e meia de duração, em que é possível ouvir a articulação.