Três mil médicos acreanos impedidos de trabalhar

Um grupo de médicos formados no exterior faz nesse momento uma manifestação em frente da sede do Conselho Federal de Medicina do Acre, localizado na avenida Ceará. São médicos que se formaram em Cuba, Bolívia, Paraguai e Argentina e que estavam prontos para lutarem pelas 54 vagas oferecidas pelo governo do estado, através de uma seletiva que aconteceria no início do mês de junho, mas que foi embargado após uma decisão da Justiça Federal em Brasília, que impede o governo acreano de contratar profissionais médicos sem o registro do CRM.

O conselho é contra a contratação e recorreu de um liminar que o governo do Acre tinha conseguido junto a primeira instância em Rio Branco, na qual permitia que, por causa da urgência, a Secretaria de Saúde do Estado pudesse contratar médicos formados no exterior para trabalhar no interior do Acre, atendendo exclusivamente, paciente com coronavírus.

O CRM recorreu à Brasília e conseguiu derrubar a liminar. Agora o estado só pode contratar médicos para essas vagas com o devido registro do Conselho.

Para João Batista, um dos organizadores do manifesto, e que é formado em Cuba, o CRM está tirando dos acreanos a oportunidade de ter profissionais trabalhando direto com as pessoas que precisam de atendimento, principalmente no interior do Estado, onde médicos são raros. “Estamos prontos para trabalhar. Se falta experiência para o coronavírus, a Secretaria de Saúde, com certeza, prepararia um curso rápido para que pudéssemos atuar imediatamente nos municípios. Hoje estamos com vontade de trabalhar e não podemos por causa dessa política protecionista do CRM”, reclamou.

Segundo Batista, desde 2017 o governo federal não oferece a prova do revalida, que é o credenciamento para que pretende buscar o registro de médico. “Sem a prova como vamos conseguir o registro? Se nesse tempo ela fosse aplicada, muitos de nós já estaria no mercado”, declarou.

Nada menos que 3.000 médicos acreanos formados no exterior estão sem poder atuar por falta de registro.