Zezinho Barbary deve assumir comando da Amac

Prefeito Zezinho Barbary

Cezar Negreiros

Dois nomes despontam na bolsa de apostas para assumir a Associação dos Municípios do Acre (AMAC), o primeiro do prefeito de Porto Walter, José Estephan Barbary Filho (atual vice-presidente da entidade), o segundo da prefeita de Tarauacá Marilete Vitorino (ex-presidente da entidade). A previsão que prefeitos participem de uma videoconferência nessa terça-feira (dia 16), com o presidente interino da AMAC, Zezinho Barbary para tratar da recomposição da atual diretoria e a transparência na aplicação dos recursos disponibilizados pelo governo federal para combate da covid-19.

Como 18 prefeitos têm pretensão de concorrerem à reeleição deste ano, somente a ex-presidente da entidade Marilete Vitorino (Tarauacá) e o prefeito do Jordão, Elson Farias estão também habilitados para assumir a entidade, os demais gestores correrem o risco de ficarem inelegíveis. Zezinho Barbary assumiu provisoriamente a entidade, depois que a prefeita da capital, Socorro Neri renunciou o comando da entidade para centralizar os seus esforços no combate a pandemia do coronavírus no município.

“Sempre defendi a tese que o presidente da Amac fosse da Capital, porque estava mais próximo para acompanhar a liberação dos recursos das emendas de bancadas e assegurar os convênios com os ministérios, mas se outro prefeito manifestar interesse em assumir a entidade abro mão da minha candidatura”, declarou.

Estou colocando o meu nome a disposição dos pares por entender que o sucessor da Socorro Neri deve se empenhar para liberação dos recursos em Brasília, capital do Distrito Federal (DF), para que os prefeitos possam concentrar os seus esforços no combate ao coronavírus que chegou aos municípios. Destacou que pode contribuir com os pares por conta da experiência exitosa que teve no combate a doença em sua cidade.

Afinal, o município de Porto Walter registrou apenas o terceiro caso de covid-19 confirmado pela Secretaria Municipal de uma mulher que testou positivo após de um teste rápido, a Vigilância Epidemiológica passou a acompanhar a paciente para cumprimento da quarentena obrigatória, enquanto outra equipe da Semsa busca localizar as pessoas que mantiveram contatos com a moradora contaminada. “Assim que Cruzeiro do Sul começou a registrou o surto baixamos um decreto determinando que um banco buscaria repor a mercadoria dos comércios de 15 em 15 dias, que impediu a chegada de desconhecido em nossa cidade”, revelou.

Ajuda – O governo federal liberou a quantia de R$ 134 milhões, para as prefeituras acreanas usarem no enfrentamento da pandemia do coronavírus, como pacote de ajuda aprovado pelo Congresso Nacional de compensação das perdas tributárias. Desde a vigência dos Decretos de isolamento social quase todas as atividades econômicas consideradas não essenciais foram suspensas temporariamente nos 22 municípios. O auxílio financeiro emergencial de socorro do governo federal destinará ao  município de  Rio Branco, a quantia de R$67.853.371,50. Sendo R$62.038.602,44  correspondente a divisão dos R$ 20 bilhões da partilha dos entre os entes municipais, enquanto R$ 5.814.769,06 da divisão dos R$3 bi, destinados para as ações de saúde e assistência social no combate a pandemia do coronavírus.  O outro montante será rateado entre as 21 prefeituras para o combate a pandemia de coronavírus que já matou mais de 254. Os óbitos estão assim distribuídos:  Rio Branco (185), Cruzeiro do Sul  (22),  Brasileia  e Porto Acre (6),  Plácido de Castro e Assis Brasil  (5), Epitaciolândia e Senador Guiomard (4), Tarauacá e Rodrigues Alves (3), Acrelândia, Sena Madureira  e Capixaba (2), Bujari, Feijó, Santa Rosa do Purus, Xapuri  e Mâncio Lima (1). Os municípios de Porto Walter, M. Thaumaturgo, Jordão  e Manoel Urbano, não registraram nenhuma morte por causa da doença.